[google_plusone size=”standard” annotation=”none” language=”Portuguese (Brazil)”]  Quando eu estava trabalhando na minha própria empresa, tinha bastante liberdade para dividir o tempo entre projetos pessoais e os projetos da empresa. Era muito  simples e conseguia fazer as duas coisas sem muito esforço.  Mas quando é necessário cumprir uma agenda cheia de compromissos, reuniões e visitas a clientes, os projetos pessoais acabam ficando em segundo plano.

Manter projetos pessoais é bom e saudável, ajuda a abrir novos horizontes. No meu caso, eu utilizo o tempo para estudar tecnologias emergentes, como MongoDB, Node.js, contribuir para algum projeto de software livre e meter um pouco a mão na massa, já que minha atuação como gerente de projetos exige uma concentração total nos resultados positivos, cuidar dos riscos, escopo, equipe e a saúde financeira. Gerenciar projetos é uma atividade empolgante e muito desafiadora, mas é necessário deixar a cabeça de programador de lado e pensar de forma totalmente estratégica, sabendo como auditar os resultados. Para isso, a planilha é a ferramenta que uso com mais frequência, contrariando o Emacs, que usava quando trabalhava desenvolvendo softwares.

Eu tenho um histórico técnico, já fui de infra, depois desenvolvimento e arquitetura de soluções. Quando abri minha empresa, tive de ser gerente de projetos, comercial e as vezes meter a mão na massa. Gosto dos dois lados e aprendi separar muito bem a parte gerencial da parte técnica. A grande vantagem de gerenciar projetos tendo um background técnico é saber dimensionar bem os esforços, não superestimar nem subestimar um projeto, mas sim fazer as estimativas mais justas. Outro ponto positivo é na hora que a equipe encontra impedimentos, experiências passadas ajudam a orientar melhor na solução, sem desmotivar equipe. Isso é matéria para outro post! 🙂

Como conciliar o trabalho dos projetos pessoais

No meu caso, a melhor solução foi acordar mais cedo. Estou tentando manter a rotina de pelo menos duas horas diárias pela manhã, com isso é necessário acordar por volta das 5h e ficar até às 7h trabalhando em projetos pessoais. Escolhi o período da manhã porque sou mais produtivo e é onde existe a menor probabilidade de ser interrompido, a maioria dos contatos ainda não estão online no Google Talk e poucos emails chegam na caixa postal, evitando distrações. Não gosto de trabalhar a noite, geralmente é quando chego em casa cansado e prefiro assistir um seriado ou filme e depois ir dormir.

Definindo prioridades

Quase sempre temos mais de um projeto e ideias, sabendo que você dispõe de aproximadamente 10 horas semanais, é necessário definir bem em que trabalhar e como trabalhar, senão pode acontecer de ter vários projetos iniciados e nenhum finalizado. Os projetos pessoais devem ter o mesmo planejamento de um projeto real, com estimativas, escopo, entregas, risco e até mesmo custos.

Eu utilizo um kanban para me organizar e dividir os projetos em tarefas menores, coisas que consigo fazer em um intervalo de 2 horas, assim fica fácil (e motivador) ver as tarefas sendo concluídas. Uma ótima ferramenta de kanban online é o Trello, tenho usado com muita frequência para me organizar.

Separando bem as coisas

O grande segredo é separar bem as coisas. Projetos pessoais nunca devem interferir no trabalho. Você precisa gostar de estar fazendo isso, caso contrário, não terá resultados positivos. É necessário ter motivação para acordar mais cedo e dedicar algumas horas por dia e ter persistência, evitar aquele 5 minutos a mais de sono e evitar o máximo de distrações. O resultado será o seu projeto concluído!

Com essa disciplina, é possível conciliar as duas coisas sim, sem abrir mão da vida pessoal, profissional, hobbies e outras atividades.

Crédito da imagem desse post: http://www.freedigitalphotos.net/

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”]