Estou desde o começo deste ano acompanhando o hype dos bancos de dados orientados a documento, também chamado de NoSQL (embora não goste muito deste termo). Como bom curioso, resolvi testar algumas variações como o CouchDB e MongoDB, onde acabei me identificando mais com o segundo. Gostei da praticidade e rapidez em fazer as coisas com ele, também a performance me chamou muito a atenção, tem uma boa biblioteca Python e a documentação é muito objetiva, com exemplos de uso. Esses pontos foram decisivos para a escolha.

Com um banco de dados orientado a documentos, não existe a necessidade de criar o modelo das tabelas, basta definir um documento (estilo JSON) e inserir na base. Esses documentos podem ter campos a mais ou a menos dependendo da necessidade e tudo pode ser indexado e encontrado facilmente.

Estou trabalhando em um projeto onde é necessário indexar uma grande quantidade de informações e documentos. O problema é que muitos documentos não seguem um padrão e existe a necessidade de estar alimentando a base a todo instante com novas informações. Já desenvolvi modelos de busca neste estilo utilizando o Xapian, que é uma excelente ferramenta. Porém a performance fica bastante prejudicada quando a base é atualizada várias vezes ao dia, pois o Xapian mantém muito bem sua performance quando sua base (Quartz) está com os índices devidamente criados e compactados. Ficar atualizando esses índices o tempo todo prejudica a aplicação.

Fiz um teste importando todos esse volume de informações em uma base do MongoDB. Fiquei surpreso pela rapidez em importar os dados, cheguei a acreditar que tivesse acontecido algum problema durante a importação. Mas mexendo no banco, pude observar que tudo foi importado. Com algumas ferramentas desenvolvidas em Python, é possível alimentar a base a todo instante com novas informações e percebi que isso não atrapalha a performance das consultas. Mais um ponto a favor do MongoDB.

A aplicação frontend está sendo desenvolvida em Django, que não suporta oficialmente o MongoDB, mas utilizando módulos externos, é possível fazer o Django falar com MongoDB sem muita dificuldade. Cheguei a testar o MongoEngine e outras receitas (como nos posts integrating MongoDB and Django e Python, Django e MongoDB) mas para meu caso, foi mais fácil usar as ferramentas desenvolvidas internamente em Python para inserir e buscar valores da base.

De uma forma geral o MongoDB é uma ótima solução para armazenar e buscar um volume grande de documentos. Não posso dizer que é melhor ou pior que um banco de dados relacional, tudo depende do modelo de negócio, da aplicação e do que pretende fazer com as informações. Cada caso é um caso, seria muito injusto em dizer que vou substituir todas minhas aplicações de banco de dados relacional para o banco de dados orientado a documentos. Mas os testes serviram para mostrar não é apenas um hype, os bancos orientados a documentos podem ser uma ótima solução para casos mais complexos, que não dependem apenas de um simples CRUD.

De bônus, vale a leitura do post Choosing a non-relational database; why we migrated from MySQL to MongoDB, estou totalmente de acordo com as opiniões do autor e passei por situações bem parecidas.

Nos próximos dias publicarei mais informações sobre MongoDB e um pequeno tutorial. Se desejar ser informado, aproveite para assinar o conteúdo desse blog, basta inserir seu e-mail no campo logo abaixo deste post (e-mails só serão enviados quando existir atualização de conteúdo do blog).